Bacorinho

Bacorinho! Um marco na vida do agrupamento…

Decorria o ano de 1987, a sede estava na fase final de construção, um clã (secção do agrupamento com jovens entre 17 e 21 anos), com diversidade de ideias, projetos de realização pessoal distintos, muita amizade, espírito de equipa e uma grande vontade de construir, eram algumas energias que possuíamos e que cujo aproveitamento se impunha.

A vontade e apetência para a escrita de alguns, o gosto pela fotografia, o conhecimento da freguesia e a vontade de fazer algo pela mesma, o bichinho que começava a despertar pelos computadores, aliado a outros que o estarem juntos já dava felicidade, foram os ingredientes que se juntaram à “energia” para levar por diante este projeto arrojado e com alguns riscos.

O primeiro desafio foi o da escolha do nome e a esquematização de conteúdos a tratar, pois não podíamos esquecer que a propriedade era de uma associação católica e a isenção partidária deveria ser um critério a seguir.

Dos primeiros tempos, onde o papel quadriculado para acerto de margem na escrita, a velha máquina de escrever, régua, esquadro, cola, alguma arte para desenhar e revistas para recorte de imagens, faziam os “milagres” da maquetização e paginação para que as fotocópias em A3 chegassem aos leitores, algumas das vezes com pouca qualidade, à aquisição do computador e do laboratório de fotografia, foi o percurso percorrido, sempre com os custos controlados pois não havia possibilidade de financiamento pelo agrupamento, sendo que o amor e a vontade de fazer melhor era preocupação a cada análise ou reunião para esquematizar cada edição.

Passou o tempo, outras vontades e projetos surgiram, com eles o que era feito por gosto a amor deu origem a obrigação, e daí o declínio até o derradeiro terminus. Se nos interrogarmos uns aos outros como foi fazer parte deste projeto, temos certamente opiniões diferentes, mas em comum a alegria de termos feito parte do mesmo…

A história não se apaga…

As 30 primeiras edições do Bacorinho em PDF

1 Comment

  1. zefigas@gmail.com' José Figueiredo says: Responder

    Foi um enorme orgulho ter feito parte deste “pedaço” de história do nosso agrupamento e da nossa freguesia.
    Como o artigo diz e bem, só o facto de estar- mos juntos já era uma enorme felicidade e essa foi a chave do sucesso do projecto.
    Bem haja a todos aqueles que acreditaram naquele punhado de tipos malucos que não se importaram de passar algumas semanas das suas vidas a construir um sonho.

    Abraço.
    José figueiredo

Deixe uma resposta